quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Os sinais da Vinda de Jesus - Sinais no campo da Engenharia Genética - Dr. Antonio Sebastião (diretor da FATESA - Casa do Saber)

"... MUITOS CORRERÃO DE UMA PARTE PARA OUTRA, E A CIÊNCIA SE MULTIPLICARÁ" - DANIEL 12:4.

Basta um breve lançar d'olhos no campo da ciência, em qualquer área, para termos a confirmação do cumprimento da profecia de Daniel, proferida cerca de 500 anos antes de Cristo.

No campo da ENGENHARIA GENÉTICA coisas que poderiam ser consideradas espantosas já se tornaram parte do nosso dia a dia. Lemos, num passado pouco recente, numa de nossas conceituadas Revistas Semanais, um artigo sobre a possibilidade do casal escolher não apenas o sexo como até mesmo a cor dos olhos do filho que pretende gerar. Na época apenas uma clínica em São Paulo atendia uma média de 1.400 casais por ano. Poderíamos discorrer sobre o avanço da ciência após o nascimento do primeiro bebê de proveta.

E pensar que pouco mais de trinta anos atrás era preciso esperar o nascimento para se saber de qual sexo era o recém-nascido! Com a evolução da ultrassonografia o sexo pode ser identificado na décima semana de gravidez, ou na oitava se for de sangue; isto para quem não fez a seleção prévia. Poderíamos discorrer sobre a clonagem e afirmar que, hoje, nem mesmo a possibilidade da clonagem de humanos pode assustar. Quase tudo está se tornando possível à Ciência.

Tudo o que está acontecendo e que ainda irá acontecer, não abala aqueles que conhecem, pelo menos um pouco, da Palavra de Deus. Pelo contrário, apenas fortalece a tese de que A VINDA DE JESUS está mais próxima do que a maioria dos cristãos pode imaginar. PORÉM, A PATENTE DA VIDA PERTENCE A DEUS!

Esta é a única coisa que podemos ter certeza agora e até o fim - é a de que a patente da vida continua sendo propriedade exclusiva de Deus, o CRIADOR DA VIDA.

Por mais que a CIÊNCIA se multiplique, sem as matrizes formadas pela célula masculina, o espermatozoide, e pela célula feminina, formada pelo óvulo, ninguém jamais, incluindo Satanás, produzirá uma vida, quer "intra-vitro", ou proveta, quer intra-útero no processo "barriga de aluguel" ou da própria mãe.

Nos dois casos é possível fazer a fecundação e desenvolver o feto; pode-se selecionar as células para gerar macho ou fêmea; pode-se escolher a cor dos olhos, pode-se gerar um, como também gêmeos, trigêmeos e até quadrigêmeos, dependendo da capacidade do útero. Pode-se congelar as células para fecundá-las até mesmo depois que o casal já estiver morto -PORÉM... PARA QUE TUDO ISTO ACONTEÇA SEMPRE HAVERÁ A NECESSIDADE DE UM ESPERMATOZOIDE E DE UM ÓVULO! SEM ESTAS MATRIZES CRIADAS NO PRINCÍPIO POR DEUS, JAMAIS HAVERÁ UMA VIDA, PORQUE A VIDA PERTENCE A DEUS!

"... pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas; e de um só fez toda a geração dos homens para habitar sobre toda a face da terra..." - Atos 25-26. CREIA NISTO!


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

O movimento valdense


Antes da Reforma, alguns grupos de cristãos se opuseram ao caminho que a Igreja Católica tomava. Um desses grupos foi o dos valdenses, fundado por um mercador francês que estava descontente com a igreja medieval.

Certo dia, Pedro Valdo ouviu um trovador viajante cantar sobre um jovem rico que deixara sua família, e, anos mais tarde, voltou para casa, mas estava tão malvestido e desnutrido que sua família não conseguiu reconhecê-lo. Somente no leito de morte revelou sua verdadeira identidade. Ele viveu entre os pobres e enfrentou a morte alegremente, feliz por se encontrar com o Deus que sorria para os menos favorecidos. Profundamente tocado pela história, Valdo agiu rapidamente. Separou uma quantia de dinheiro suficiente para a esposa, colocou as duas filhas em um convento e doou o restante das posses aos pobres. Contratou dois sacerdotes para traduzir a Bíblia para o francês e começou a memorizar longas passagens bíblicas. A seguir, saiu para ensinar sobre Cristo ao povo.

Embora os monges e as freiras pregassem e ensinassem a pobreza e a autonegação — a despeito, muitas vezes, de sua incapacidade de manter esses votos — a igreja via isso como algo que apenas eles precisavam praticar. Poucos esperavam que a pessoa comum vivesse uma vida religiosa profunda.
Valdo e seus seguidores — que chamavam a si mesmos "pobres de Lião" — acreditavam que Jesus queria que seus ensinamentos fossem colocados em prática por todas as pessoas. Saindo de dois em dois, os valdenses visitavam os mercados, falavam com as pessoas e lhes ensinavam o Novo Testamento.

O contraste entre a igreja e esses pregadores ficou bem aparente para o arcebispo de Lião. Ele ordenou que parassem de fazer aquilo. Valdo citou o apóstolo Pedro: "É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!" (At 5.29). Embora o arcebispo tivesse excomungado Valdo, isso não o impediu nem tampouco o movimento que mantinha seu nome de prosseguir em suas atividades. Os valdenses apelaram ao papa Alexandre π. Embora estivesse ocupado com o Concilio de Latrão (1179), aqueles homens — que caminhavam "de dois em dois, descalços, vestidos com, roupas simples, que não possuíam nada e mantinham todas as coisas em comum, como os apóstolos" — impressionaram o papa. Contudo, pelo fato de serem leigos, o papa não podia permitir que pregassem sem a aprovação de um bispo; algo que, dificilmente, conseguiriam. Fundamentados nas palavras de Atos, dos apóstolos, Valdo e seus seguidores continuaram a pregar e acabaram por ser excomungados pelo papa Lúcio II, em 1184.

Os valdenses não ensinavam heresias, a despeito das afirmações que a igreja fez contra eles. Eram ortodoxos, mas, pelo fato de estarem fora da estrutura da igreja, os seguidores de Valdo não puderam obter a aprovação da hierarquia eclesiástica. Na Idade Média, para os clérigos, qualquer pessoa que estivesse fora da igreja era considerada herege.Muitos cristãos franceses e italianos, desanimados com a igreja que havia se mundanizado, voltaram-se para os valdenses, que ensinavam o sacerdócio de todos os crentes. Eles rejeitavam as relíquias, as peregrinações e as parafernálias, como a água benta, a vestimenta dos clérigos, os dias santos e outros dias de festa, assim como o purgatório. Para eles, a comunhão não precisaria ser celebrada todos os domingos; os pregadores valdenses falavam diretamente às pessoas e liam a Bíblia para elas em sua língua.

Em 1207, o papa Inocêncio se dispôs a receber os valdenses de volta se eles se submetessem às autoridades da Igreja Católica. Muitos retornaram, mas outros não, e, em 1214, o papa os condenou como hereges e pediu sua supressão. A Inquisição fez o melhor que pôde para eliminá-los. Apesar de tudo isso, os valdenses prosseguiram. Eles se espalharam por toda a Europa. Quando houve a Reforma, foram calorosamente recebidos pela maioria dos protestantes. Hoje em dia, eles se consideram protestantes também. Os valdenses são uma lembrança viva de que, a despeito dos momentos obscuros da história da igreja, novos movimentos para corrigir a direção sempre surgiram dentro dela.

FONTE: Os cem acontecimentos mais importantes da história do cristianismo - A. Kenneth Curtis/ J. Stephen Lang/ Randy Petersen

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Naquele dia o culto foi de doutrina - Dr. Antonio Sebastião (Diretor da FATESA - Casa do Saber)


Sequência da mensagem: "Os que querem ser alimentados com sinais"

A palavra doutrina deriva-se da expressão latina "doctrina", cuja forma verbal é "docere", que significa ensinar. Em se tratando de uma igreja, um culto de doutrina é, pois, um culto de ensino bíblico.

O Senhor Jesus sabia que aquela multidão que ali estava tinha vindo motivada por interesses materiais, visto que no dia anterior tinha sido por ele alimentada com peixe e pão. Era o interesse pelas bênçãos de Deus que movia aquele povo e não o interesse pelo Deus das bênçãos.

Sabendo que "... o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem" - Deuteronômio 8:3, naquele dia Jesus queria alimentar o povo com Sua Palavra, dizendo - "Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer desse pão, viverá para sempre..." João 6:51.

Pão do céu e não da terra; vida eterna e não prazer temporal; ressurreição dentre os mortos e não vida passageira aqui. Naquele dia não haveria pão e peixe, o alimento oferecido não era para o corpo, mas, para a alma. Porém, o interesse do povo era material!

Dizendo - "... duro é este discurso..." a multidão começou a retirar-se do "culto". Jesus, contudo, não mudou o sentido do seu ensino, não procurou ser agradável, não fez nenhum sinal para segurar o povo. Ele queria que o povo ali permanecesse alimentado e alimentando-se com a Palavra de Deus.

É para satisfazer a vontade do povo que quer as bênçãos de Deus, mas não quer viver de acordo com a vontade do Deus das bênçãos, que hoje muitos pregadores e até mesmo denominações que se dizem evangélicas, persistem em não pregar e em não ensinar a PALAVRA DE DEUS.

Nada de culto de doutrina, nada de Escola Dominical, nada de Cursos de Teologia, isto afugenta os "crentes materialistas" da igreja.

Os templos estão mais para teatro, ou casas de espetáculos; os púlpitos, mais parecidos com palcos e os pregadores estão mais para artistas do que para homens de Deus. Os louvores não podem levar à reflexão, à adoração, à lembrança de se estar num culto e na presença do Senhor.

O objetivo é a exaltação da carne. Assim, os "cultos" precisam ser alegres, mesmo que seja alegria carnal. As pessoas vão e voltam contentes se o espetáculo for bom, como acontece nas boas casas de espetáculo.

É claro que, naquele dia - mesmo o CULTO SENDO DE DOUTRINA, nem todos abandonaram Jesus. Seus verdadeiros discípulos continuaram com Jesus, conforme afirmou Pedro - "... Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna" - João 6:68.

Cremos que eu, você, a "minha" e a "sua" igreja fazemos parte de um remanescente que persiste em continuar seguindo a Jesus e vivendo de acordo com SUA SANTA E BENDITA PALAVRA, pois estamos esperando pela VINDA DE JESUS.

Os que querem ser alimentados com sinais - Dr. Antonio Sebastião (Diretor da FATESA - Casa do Saber)

"Disseram-lhe; pois: que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu? - João 6:30.

Mais uma vez aquela gente interesseira revela a razão pela qual está ali, manifestando o desejo de ver algum sinal. E pensar que todos, no dia anterior, não apenas tinham visto como também se beneficiado do milagre operado por Jesus, quando multiplicando cinco pães e dois peixes alimentou uma multidão na qual não contando as mulheres e crianças, somente homens estavam quase cinco mil - João 6:1-10.

Será que não bastou para comprovar a divindade de Jesus?!

Quem não creu em Jesus precisa ser alimentado com sinais e nunca se sentem saciados. Faltando sinais onde estão, saem à procura deles. São crentes itinerantes, sempre em busca de sinais, esquecendo-se que segundo o ensino de Jesus, são os sinais que devem seguir o crente e não o crente seguir os sinais - "... estes sinais seguirão aos que creem..." - Marcos 16:17.

CRENTES SALVOS ALIMENTAM-SE COM A PALAVRA DE DEUS.

Esta é um forma de conhecer uma igreja séria, ou seja, a presença da PALAVRA DE DEUS. Igreja onde a Palavra de Deus é ministrada, não em partes, mas no seu todo, através da pregação, do ensino, do incentivo à sua leitura, é uma igreja séria, ou melhor, é uma igreja onde existe o temor de Deus. Nesta igreja os sinais seguem os crentes; não são os crentes que seguem os sinais!

Acreditamos não existir sinal maior do que a salvação de almas. Não foi sem razão que o primeiro milagre de Jesus foi um milagre de transformação. Na "sua" igreja tem havido salvação de almas!

Na sequência iremos falar daquelas "igrejas" não sérias que procuram alimentar as multidões insaciáveis através de sinais e, se estes não forem operados por Deus, serão feitos pelo homem, mesmo que tenham que contratar alguém para encenar falsos sinais, porque, sem sinal, a "igreja" esvazia-se.