sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Incredulidade - Cidinha Britto


É possível que uma pessoa permaneça  incrédula depois de frequentar uma igreja local por toda a vida? O povo de Israel “esteve com Deus no deserto”, tempo suficiente para presenciar Seus sinais e maravilhas, para ver Suas promessas cumpridas, as inúmeras provas de Seu grande amor e mesmo assim, toda uma geração pereceu (exceto Josué e Calebe) por causa da incredulidade. O Antigo Testamento, assim como o Novo está repleto de relatos sobre a fé, mas também sobre a falta dela.

MARCOS 8.22-26
(v.22) “E chegou a Betsaida; e trouxeram-lhe um cego, e rogaram-lhe que o tocasse”Jesus foi até a aldeia, mas não chegou até o cego, o cego foi levado até Jesus “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11.28). Não era a primeira vez que Jesus ia àquela cidade. Foi em Betsaida que Ele fez a primeira multiplicação de pães, “E comeram todos e saciaram-se; e levantaram, do que lhes sobejou, doze cestos de pedaços” (Lucas 9.10-17).

(v.23) “E, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia”...  Jesus tirou o cego do meio das pessoas, por causa da incredulidade delas. Se essas pessoas sabiam quem era Jesus e o que Ele podia fazer, como poderiam continuar em sua incredulidade? Sabemos que a fé não está baseada no que vemos, Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” (Hebreus 11.1). 

A falta de fé foi a causa de Jesus condenar essa cidade: “Ai de TI, Corazim, ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e em Sidom se fizessem as maravilhas que em vós foram feitas, já há muito, assentadas em cinza, se teriam arrependido” (Lucas 10.13). “E não fez ali muitas maravilhas, por causa da incredulidade deles” (Mateus 13.58).

Se aquelas pessoas não criam em Jesus, porque levaram o cego a até Ele? Na verdade elas acreditavam que Ele poderia fazer milagres de novo, que poderia suprir suas necessidades, mas não criam nEle com Salvador e Senhor. Jesus sabia disso e tirou o cego da aldeia, Ele não precisava de expectadores!

(v.24) E, cuspindo-lhe nos olhos, e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe se via alguma coisa. “E, levantando ele os olhos, disse: Vejo os homens; pois os vejo como árvores que andam”. Jesus já havia curado um cego de nascença (João 9.6) e um surdo-gago (Marcos 7.33)  usando saliva. O cego de nascença deveria se lavar no tanque de Siloé, enquanto o surdo foi curado imediatamente.

Com o cego de Betsaida foi diferente, ele veio até Jesus trazido pelo povo, aquele mesmo povo incrédulo. Não sabemos o quanto ele estava “contaminado” pela falta de fé dos demais. Jesus poderia tê-lo curado instantaneamente como em outras ocasiões, mas não o fez porque o cego precisava “enxergar mais” do que seus olhos poderiam ver. O cego começou a enxergar, mas sua visão não era nítida.

(v.25) “Depois disto, tornou a por-lhe as mãos sobre os olhos, e fez olhar para cima: e ele ficou restaurado, e viu cada homem claramente”. Jesus tocou-lhe mais uma vez e o cego tomou uma nova atitude, ele olhou FIRMEMENTE e começou a enxergar ao longe. Era isso que todas aquelas pessoas precisavam fazer “olhar firmemente”, e teriam visto em Jesus, mais do que um multiplicador de pães, mais do que um curador de cegos, mais do que um fazedor de milagres. Teriam visto nEle o Messias desde há muito prometido, o Salvador. “.. na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna. Eu sou o pão da vida” (João 6.47-48).

(v.26) “E mandou-o para sua casa, dizendo: Nem entres na aldeia, nem o digas a ninguém na aldeia” Jesus não queria que aquele homem, antes cego, voltasse para a aldeia para que não fosse novamente persuadido pela incredulidade de seus vizinhos. Não havia perigo de ele voltar a ser cego fisicamente, mas espiritualmente poderia deixar de enxergar. 


O escritor aos Hebreus nos ensina que não podemos “tirar os olhos” de Jesus porque nossa fé começa e termina nEle: “... olhando para Ele o autor e consumador da nossa fé” (Hebreus 12.2). “Tende cuidado irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo” (Hebreus 3.12).

Publicado em 21/09/12

terça-feira, 11 de setembro de 2012

domingo, 9 de setembro de 2012

O Pastor Youssef Nadarkhani está livre. Deus seja Louvado!


O pastor Yousef foi convocado a se apresentar no tribunal esta manhã. Sua audiência durou seis horas, mas ao final, ele pôde voltar para sua casa e sua família.
Algumas das fontes próximas ao caso relatam que o tribunal o inocentou das acusações de apostasia (as quais poderiam levá-lo à execução), mas foi considerado culpado na acusação de evangelizar muçulmanos, e sentenciado a três anos de prisão por isso. Como ele já estava na prisão durante esse período, sem ser julgado, o tribunal considerou que sua sentença já havia sido cumprida.
Louvamos a Deus pela libertação de Yousef Nadarkhani e agradecemos a você, querido irmão em Cristo, que sofreu junto com essa parte do Corpo que estava sendo afligida.
Vamos orar pela readaptação de Yousef e sua família e por sua proteção. Que Deus seja honrado através do testemunho e vida deste cristão.
FONTE: Missão Portas Abertas
Para quem não se lembra, ou ainda não sabe como tudo começou, leia este artigo meu do dia 29/03/2012.